Buscar por:  

Assine o RSS Notícias

Voltar 30/06/2020 - Portos e Navios

FPSO

MÓDULO DA P-71 CHEGA EM ARACRUZ PARA INTEGRAÇÃO NO ESTALEIRO JURONG

O módulo M-05, da TUPI BV, chegou ao Estaleiro Jurong Aracruz (EJA) para integração à plataforma P-71. O transporte entre Itajaí (SC), onde o módulo foi construído, até Aracruz (ES), onde o estaleiro está localizado, contou com dois rebocadores — o Locar VII, com apoio (escoteiro) do rebocador Locar XII. De acordo com a empresa, as operações de transporte dos módulos em terra (loadout) e arranjo, fixação e peação (seafasting) exigiram bastante do planejamento de engenharia, pois tratavam-se de módulos com 33 metros de altura e peso da ordem de 1.400 toneladas cada um. A empresa utilizou suas linhas de eixos, guindastes e a construção de grillages especiais para garantir a segurança do módulo e da embarcação.

O retardo de um ano na entrega foi motivado pelo acidente envolvendo o transporte de outros módulos, carregados sobre a balsa Locar V, em maio de 2019, que naufragaram na região próxima ao Porto de São Francisco do Sul (SC). De acordo com a empresa, as condições climáticas estavam desfavoráveis à navegação naquela ocasião. Na época, a Locar esclareceu que sua atuação no transporte dos módulos se restringiu aos serviços de engenharia do loadout, do seafasting e da movimentação até as balsas, e que, após a conclusão e a aprovação desses serviços, a balsa foi entregue à Tranship, empresa contratada para o planejamento do reboque e sua devida realização até o Estaleiro da Jurong.

A Locar ressaltou que, embora a Locar V não tenha sido rebocada por ela, foram geradas diversas novas exigências nesta nova operação, para a Locar I, que faria a próxima viagem. Foram feitas solicitações de análise, re-análises e autorizações à embarcação, incluindo todos os planos e cálculos desde o loadout até os planos de reboque, incluindo todos os órgão e agentes envolvidos. Além da Marinha, discutiram as condições a DNV, Rina, Tupi, EJA e a engenharia da Locar. “Cálculos e mais cálculos foram reconferidos e diversas novas análises foram solicitadas para que enfim todos estivessem seguros de que as condições como foram disponibilizadas estavam adequadas”, afirmou o vice-presidente da Locar, Jose Henrique Bravo Alves.

Bravo acrescentou que a viagem respeitou as condições de tempo, desde a saída até a chegada ao estaleiro. “Limitações de ondas e vento, rota definida e seguida à risca, e, a cada 100 milhas, havia um way-point planejado para derrota, se assim fosse necessário, o que de fato acabou acontecendo com entrada em Angra dos Reis (RJ), motivada por condições climáticas adversas”, explicou. Ele ponderou que a unidade permaneceu em Angra por seis dias, gerando custos importantes de estadia e praticagem, mas com objetivo de chegar ao destino com segurança.

Fonte: Revista Portos e Navios, 30/06/2020
by vm2

ABIMAQ - Associação Brasileira da Indústria de Maquinas e Equipamentos.
2020 Todos os direitos reservados.

Rua: Rua Santa Luzia, 735 - sala 1201 - Centro - CEP: 20.030-041 - Rio de Janeiro - RJ
Tel: (21) 2262-5566
E-mail: cog@abimaq.org.br